Posts arquivados em: Tag: V.E. Schwab

Notícias 06set • 2017

Victoria Schwab Assina Contrato Milionário

V. E. Schawb, autora best seller da série Um Tom Mais Escuro de Magia (Um Tom Mais Escuro de Magia, Um Encontro de Sombras, e A Conjuring of Light), assinou um contrato de um milhão de dólares com a editora Tor Books, anunciado exclusivamente pela Entertainment Weekly.

O contrato incluí uma nova trilogia chamada Threads of Power, que será centrada no mesmo mundo que a série Um Tom Mais Escuro de Magia, além de um quarto livro, estrelando uma mulher assassina numa versão futura da cidade de Nova York.

“Eu estou muito feliz,” Schwab contou para a EW. “A dedicação da Tor tem sido inabalável, e, junto com a minha formidável editora, eu mal posso esperar para apresentar novos protagonistas, explorar territórios desconhecidos, e revisitar velhos amigos.”

Com esse novo acordo, a parceria de Schwab com Tor e com sua editora Miram Weinberg vai se estender até pelo menos 2024. “[Victoria] é o tipo de autora que uma editora sonha em achar,” Weinberg conta para a EW. “Ela é uma escritora brilhante com uma imaginação correspondente, e tem a coragem para se impulsionar mais com cada livro. Eu mal posso esperar para mergulhar de novo em seus mundos fictícios.”

O próximo passo para Schwab na Tor é Vengeful (que lança em setembro de 2018), a continuação de seu primeiro livro adulto Vicious, e The Invisible Life of Addie La Rue, que a editora descreve como “uma história sobre uma garota que faz uma barganha Faustiana para viver pra sempre, e acaba sendo esquecida por todos que ela conhece.”

Esta notícia foi originalmente publicada pelo Entertainment Weekly. O La Oliphant é responsável apenas pela tradução do conteúdo.

Entrevistas 12ago • 2017

V. E. Schwab e o universo mágico de Um Tom Mais Escuro de Magia

Sentindo vontade de fazer uma viagem a um mundo mágico? Deixe que o Kell, personagem de V.E Schwab, seja o seu guia. Ele é um Antari, o que significa que ele pode viajar entre mundos paralelos, todos os quais estão conectados por versões alternativas de Londres. As viagens de Kell começaram em Um Tom Mais Escuro de Magia, onde conheceu uma ladra chamada Lila – que também é a melhor personagem que você vai conhecer na sua vida, eu juro. A série Tons de Magia chegou ao Brasil em 2016 pela Record e a editora já nos prometeu a continuação dessa aventura.

Não vou mentir para vocês, estou completamente apaixonada por essa série e não vou deixar passar nenhuma oportunidade de ser fangirl de V.E. Schwab a essa altura. Por isso, eu vasculhei a internet atrás de conteúdos que eu pudesse trazer para vocês sobre o livro, afinal, conhecimento é poder, certo? Então se você ainda não está convencido de que Um Tom Mais Escuro de Magia é a leitura perfeita para você, confira essa entrevista da Schwab que traduzimos para vocês.

Confira abaixo a entrevista de V.E. Schwab no site Unbound Worlds:

Pode contar para os nossos leitores sobre o que se trata esse novo universo?

Um Tom Mais Escuro de Magia é sobre um jovem chamado Kell, um mágico com a rara capacidade de se mover entre as versões alternativas de Londres. Oficialmente, ele é um mensageiro, e não oficialmente ele é um traficante, transportando valiosas bugigangas. Mas quando ele entra em posse de um objeto que poderia destruir os mundos, apenas para ter seu bolso roubado por uma ladra de rua chamada Lila, tudo começa a dar terrivelmente errado.

Eu adoro a ideia de viajantes. Mas ter várias versões de Londres? Impagável! Como você chegou com essa ideia e como você distinguiu o que cada Londres seria ou representaria?

A maioria dos meus livros envolve, de alguma forma, a ideia de portas. Portas entre vida e morte, naturais e sobrenaturais, conhecidas e desconhecidas. UTMEDM foi finalmente a minha chance de usar a ideia de portas entre mundos. Eu escolhi Londres porque é um lugar inerentemente mágico, uma cidade com diferentes camadas, com o mundano e o extraordinário lado a lado, apenas uma riqueza de história e mistério.

Provavelmente eu estava mais entusiasmada com a chance de não projetar um, mas TRÊS versões de Londres, cada uma com uma atmosfera e estilo muito diferente. A Londres Cinza é baseada na história de Londres, em torno de 1819, enquanto a Londres Vermelha tem uma influência muito mais oriental, uma fusão de Marrocos e Istambul e Moscou. Londres Branca inspira-se na estética germânica e escandinava, com um clima mais severo e uma paleta mais austera. Os desenhos não eram aleatórios, mas inspirados pelo relacionamento de cada lugar com a magia.

Kell é um personagem intrigante, jogando dos dois lados – antes de ser pego. Que outros canalhas você ama na ficção científica / fantasia?

Um dos meus vilões favoritos agora é Locke Lamora da série Nobres Vigaristas de Scott Lynch. Locke é grosseiro, mas incrivelmente rápido, e uma alegria contagiante. Também não tenho certeza se ele é um “canalha”, mas Kaladin de “Way of Kings” de Brandon Sanderson é um dos meus favoritos absolutos.

A ladra Delilah Bard é um lado diferente da moeda. Quão importante era ter um personagem feminina que não só desafia Kell, mas também o leitor?

Eu acho que é incrivelmente importante ter personagens que não se sentem como metades de um todo, especialmente quando eles são do sexo feminino. Lila não é ums colega, ela é a heroina de sua própria história. Ela não é um interesse amoroso, e ela não é um dispositivo do enredo. Seu propósito não é apenas agradar o leitor ou Kell, é ser verdadeira consigo mesma, e isso faz com que ela seja totalmente badass.

Um Tom Mais Escuro de Magia é, definitivamente, a leitura perfeita para os fãs de Fantasia. Acreditem quando eu digo que obrigaria todos vocês a lerem se eu pudesse, vocês me agradeceriam muito depois. Não esqueçam de conferir a nossa resenha do primeiro livro dessa série que já está disponível no blog e vocês também podem comprar o livro nos links abaixo:

Comprar: Amazon | Cultura | Saraiva

Kell é um dos últimos Viajantes — magos com uma habilidade rara e cobiçada de viajar entre universos paralelos conectados por uma cidade mágica. Existe a Londres Cinza, suja e enfadonha, sem magia alguma e com um rei louco — George III. A Londres Vermelha, onde vida e magia são reverenciadas, e onde Kell foi criado ao lado de Rhy Maresh, o boêmio herdeiro de um império próspero. A Londres Branca: um lugar onde se luta para controlar a magia, e onde a magia reage, drenando a cidade até os ossos. E era uma vez… a Londres Negra. Mas ninguém mais fala sobre ela.

Oficialmente, Kell é o Viajante Vermelho, embaixador do império Maresh, encarregado das correspondências mensais entre a realeza de cada Londres. Extra-oficialmente, Kell é um contrabandista, atendendo pessoas dispostas a pagar por mínimos vislumbres de um mundo que nunca verão. É um hobby desafiador com consequências perigosas que Kell agora conhecerá de perto.

Fugindo para a Londres Cinza, Kell esbarra com Delilah Bard, uma ladra com grandes aspirações. Primeiro ela o assalta, depois o salva de um inimigo mortal e finalmente obriga Kell a levá-la para outro mundo a fim de experimentar uma aventura de verdade. Magia perigosa está à solta e a traição espreita em cada esquina. Para salvar todos os mundos, Kell e Lila primeiro precisam permanecer vivos.

Esta entrevista foi realizada por Shawn Speakman no site Unbound Worlds. O La Oliphant é apenas responsável pela tradução do conteúdo.

Resenhas 05ago • 2017

Um Tom Mais Escuro de Magia, por V.E. Schwab

Eu sou, oficialmente, uma fangirl de V.E. Schwab. Vocês precisam saber disso antes de eu começar essa resenha, porque depois que eu começar a falar sobre Um Tom Mais Escuro de Magia, eu nunca mais vou parar. Faz três anos que eu não me apaixono profundamente por um livro, desde que eu li Os Garotos Corvos e eu realmente estava precisando disso: um livro de fantasia com um universo realmente interessante, com um enredo cheio de reviravoltas inesperadas e personagens que você simplesmente não consegue abandonar, mesmo depois que o livro acaba. Um Tom Mais Escuro de Magia tem todos os elementos que compões uma boa fantasia combinado com a escrita deliciosa de V.E.Schwab.

O livro se passa em um multiuniverso onde nós temos três mundos interligados, todos eles com o nome Londres e são ambientadas em 1819, mas cada um com a suas próprias peculiaridades. É dentro desse universo que conhecemos Kell, um Antari que é o único capaz de viajar entre essas Londres, entregando correspondências trocadas entre os governantes de cada Londres. Mas Kell não deixa que suas viagens sejam apenas uma entrega de correio, além de trabalhar para a realeza de sua Londres, nas horas vagas Kell contrabandeia objetos de outras Londres por simples prazer. Mesmo sabendo que esse tipo de atividade é proibida, Kell não consegue deixar de fazer seus negócios, até que ele recebe um objeto extremamente perigoso e que pode colocar em risco a segurança não só da sua Londres, mas também de todas as outras.

Eu não vou mentir para vocês: sinto arrepios toda vez que eu penso nesse universo maravilhoso que a V.E. Schwab criou. A narrativa em terceira pessoa se encaixa perfeitamente no enredo do livro e a autora tem todo o cuidado ao dar todas as informações que o leitor precisa para conseguir visualizar o universo a sua volta. A leitura flui de uma forma deliciosa, fazendo com que a gente imerja completamente no enredo e se envolva ainda mais com os personagens a cada capítulo. Eu não estava nem na página 100 do livro e já me via completamente apaixonada pela escrita da V.E.Schwab, não querendo parar a leitura por nada.

“– Peço desculpas por qualquer coisa que eu tenha feito. Eu não era eu mesmo.
– Peço desculpas por ter atirado na sua perna – falou Lila – Eu era totalmente eu mesma.
Rhy abriu seu sorriso perfeito.”

Sou um pouco fascinada pela construção de universos fantásticos, mas eu sempre tive um certo receio porque nem todos os autores conseguem mostrar os seus mundos sem serem cansativos ou repetitivos. Mas Um Tom Mais Escuro de Magia consegue entregar isso muito bem para o leitor. Schwab não tem pressa para que a gente conheça todo o universo do livro, e apresenta cada parte dele aos poucos, seguindo a necessidade da história de existir cada informação. É muito bom quando você pega um enredo de fantasia onde as informações que você tem estão ali com um objetivo e influenciam no enredo de alguma forma. Isso evita muito que o autor deixe pontas soltas, ou acaba mostrando mais do que o necessário para o leitor.

Não consigo escolher um personagem favorito dessa leitura. Eu me apaixonei pelo Kell no primeiro instante que ele apareceu no livro, mas, ao mesmo tempo, eu também fiquei desejando estar na pele dele. Gostei muito da forma como ele foi construído durante a narrativa, a voz que ele ganhou e a forma como ele lidava com todas as situações a sua volta. Eu não esperava que ele fosse ser tão sério, mas ao mesmo tempo tão divertido. Eu ainda não tinha me deparado com um personagem que conseguisse agregar tanto numa história como ele agregou e a evolução dele durante o enredo, a forma como ele se dedica as pessoas a sua volta, é uma das melhores coisas do enredo.

“– Me diga uma coisa, você subestima todo mundo ou só a mim? É porque sou uma garota?
– É porque você é humana – explodiu ele. – Porque você pode ser a alma mais valente e destemida que eu já conheci, mas ainda é muito mais feita de carne e osso do que de poder. Astrid Dane é feita de magia e maldade”.

Apesar de amar Kell, eu preciso muito falar de Lila – a heroína mais badass que você vai conhecer. Lila tem 19 anos e a Londres em que ela vive é uma que nós conhecemos bem (sem spoilers, vou deixar vocês adivinharem), mas ao invés de estra procurando um marido, Lila é uma ladra bastante experiente que não deixa a oportunidade de roubar algo lhe passar. Os melhores diálogos do livro são dela, as melhores cenas do livro são dela. Basicamente, ela reina nesse enredo com a sua coragem, sua independência e a sua lealdade com as pessoas que ela se importa. Se você ainda não encontrou uma personagem feminina para amar, certamente você vai adorar a Lila.

Quando se trata de fantasia, muitas pessoas ficam preocupadas com a questão do romance, mas Um Tom Mais Escuro de Magia consegue desviar de todos os clichês românticos da mesma forma que Maggie Stiefvater faz em A Saga dos Corvos. Eu não posso afirmar que não tem romance, mas também não posso afirmar que tem. Existe uma química, é certo, mas ainda não ficou muito claro como o relacionamento dos personagens vão se desenvolver. Muita coisa pode acontecer e, o que eu mais amo na escrita da V.E. Schwab é que, por mais que você tente, não tem como você prever o que vai acontecer no próximo capítulo e por isso, eu sou muito grata pela existência dela nesse universo.

Se Um Tom Mais Escuro de Magia não for a melhor leitura que você vai fazer na sua vida, com certeza ele vai entrar na sua lista de livros favoritos. A escrita da V.E.Schwab envolve seus leitores em um universo cheio de magia, perigos, magos e ladras destemidas. É uma aventura do início ao fim, com uma pitada de humor e um pouco daquele mistério que a gente adora. Um Tom Mais Escuro de Magia é definitivamente uma leitura que todos precisam ter na estante e, eu juro, que se eu pudesse, obrigava todos vocês a lerem.

Gostou desta resenha? Então se inscreva na nossa Newsletter para acompanhar as novidades do blog!

Siga o @laoliphantblogInstagram