Posts arquivados em: Tag: Editora Intrínseca

Notícias 11dez • 2017

Fox 2000 compra os direitos de adaptação de Tartarugas até lá embaixo

Apaixonados por Hazel e Gus, mais uma história inesquecível de John Green será adaptada para os cinemas! A Fox 2000 acaba de comprar os direitos de Tartarugas até lá embaixo, novo livro do autor, que conta a história de Aza Holmes, uma garota de 16 anos que sofre de transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e tenta se libertar das espirais de pensamento que a aprisionam.

Essa será a terceira adaptação cinematográfica de John Green. Lançado em 2014, A Culpa é das Estrelas se tornou um fenômeno mundial, arrecadando 307,2 milhões de dólares e transformando Shailene Woodley e Ansel Elgort em grandes estrelas. Em 2015, Cidades de Papel teve estreia mundial aqui no Brasil com a presença do próprio John Green! Protagonizado por Nat Wolff e Cara Delevingne, o longa arrecadou 85,4 milhões de dólares no mundo todo.

No canal que divide com o irmão Hank, Vlogbrothers, o autor falou sobre suas expectativas para o filme e já perguntou aos leitores: que atriz seria perfeita para interpretar Aza Holmes?

Este conteúdo foi originalmente publicado no site oficial da editora Intrínseca. O La Oliphant é responsável apenas pela reprodução do mesmo.

Lançamentos Notícias 20nov • 2017

Ordem Vermelha será o primeiro livro de fantasia nacional da Intrínseca

Em dezembro, os leitores vão conhecer Untherak, a última região habitada do mundo. Nela, a deusa Una reina soberana, lembrando a todos a missão maior de suas vidas: servir a Ela sem questionamentos. No entanto, um pequeno grupo de rebeldes, liderado por uma figura misteriosa, está disposto a tudo para tirá-la do trono, desvendar os segredos do lugar e se preparar para a possibilidade de um futuro totalmente desconhecido. Se uma deusa cai, o que vem depois?

Ordem Vermelha: Filhos da Degradação é o livro que inicia a jornada de quatro improváveis heróis lutando pela liberdade de um povo. Um épico sobre resistir à opressão, lutar contra o status quo e construir bravamente o próprio destino. É a porta de entrada para um novo mundo, com inspirações de fantasia medieval, personagens marcantes e uma narrativa que salta das páginas a cada vila, ruela e beco de Untherak.

Primeiro livro de fantasia que a Intrínseca lança em parceria com a CCXP – Comic Con Experience –, escrito por Felipe Castilho em cocriação com Rodrigo Bastos Didier e Victor Hugo Sousa, será lançado em 7 de dezembro, durante a CCXP, e já está em pré-venda.


Onde comprar? Amazon

Você destruiria seu mundo em nome da verdade?
A última região habitada do mundo, Untherak, é povoada por humanos, anões e gigantes, sinfos, kaorshs e gnolls. Nela, a deusa Una reina soberana, lembrando a todos a missão maior de suas vidas: servir a Ela sem questionamentos. No entanto, um pequeno grupo de rebeldes, liderado por uma figura misteriosa, está disposto a tudo para tirá-la do trono.
Com essa fagulha de esperança, mais indivíduos se unem à causa e mostram a Una que seus dias talvez estejam contados. Um grupo instável e heterogêneo que precisará resolver suas diferenças a fim não só de desvendar os segredos de Untherak, mas também enfrentar seu mais terrível guardião, o General Proghon, e preparar-se para a possibilidade de um futuro totalmente desconhecido. Se uma deusa cai, o que vem depois?

Este conteúdo foi originalmente publicado no site oficial da editora Intrínseca. O La Oliphant é responsável apenas pela reprodução do conteúdo.

Resenhas 13nov • 2017

Tartarugas Até Lá Embaixo, por John Green

Tartarugas Até Lá Embaixo foi um livro muito esperado para aqueles que são leitores inquestionáveis dos livros do John Green. É difícil escolher as palavras certas para descrever a minha experiência de leitura com esse livro quando anos atrás o autor havia se tornado um dos meus favoritos. Publicado no Brasil pela editora Intrínseca, Tartarugas Até Lá Embaixo não chega nem perto de ser uma experiência de leitura agradável. Com uma personagem principal passiva e uma narrativa lenta e cansativa, o livro acaba não entregando tudo o que se espera de “o autor de A Culpa é das Estrelas”.

Meu primeiro problema com Tartarugas Até Lá Embaixo começou logo na parte “sick-lit” do livro. Acredito que nós devemos, supostamente, entender que a Aza tem TOC e que ela vem sofrendo com a doença há algum tempo. O problema é que o autor não desenvolve o quadro dela de uma forma inteligente, deixando o leitor preso nos sintomas e nas crises de ansiedade sem entender muito bem o que está acontecendo. Eu mesma demorei algum tempo para me ambientar no que a personagem estava dizendo quando se tratava do distúrbio que ela tinha.

A narrativa em primeira pessoa, do ponto de vista da Aza, é bastante claustrofóbica. A personagem tem divagações profundas sobre a sua doença e faz com que o leitor fique preso dentro do seu redemoinho de preocupações. Em geral, para um livro onde a ansiedade é um dos temas principais, isso não é ruim. O problema começa quando a personagem principal não tem nenhum tipo de evolução durante mais da metade do livro e você se vê preso a um enredo que não caminha para lugar nenhum, e isso torna Tartarugas Até Lá Embaixo um dos livros mais cansativos que eu já li este ano.

“É muito estranho: sabemos que a nossa cabeça é doida, mas mesmo assim não conseguimos fazer nada em relação a isso, entende? Não é que a gente se iluda achando que comportamentos desse tipo são normais. A gente sabe que tem um problema. Só não consegue descobrir o que fazer para consertá-lo.”

Comparado com outros livros do John Green, o enredo de Tartarugas Até Lá Embaixo é muito fraco e pouco desenvolvido. O autor faz referências excessivas a Star Wars e, tudo bem, eu sou muito fã da franquia também, mas iniciar diálogos intermináveis sobre o universo de Star Wars sem que o assunto agregasse de alguma forma ao enredo foi um verdadeiro tiro no pé. Eu sei que a ideia era ajudar na construção da Daisy, a melhor amiga da personagem principal, mas já ficou claro que ela era muito fã de Star Wars no começo do livro, não precisava forçar tanto.

Aliás, para uma personagem secundária, Daisy roubou completamente o livro para mim. Na verdade, eu queria que Tartarugas Até Lá Embaixo fosse sobre ela e não sobre a Aza. Os diálogos da Aza eram cansativos, ainda mais quando eu já estava na cabeça demais por mais tempo do que é saudável para alguém e os diálogos com a Daisy foram o meu bote salva-vidas nesse livro. Eu sei que provavelmente Green não tinha a intenção de que uma personagem secundária tirasse o foco dos problemas da personagem principal, mas Daisy era um alívio para mim sempre que ela aparecia no livro.

“O verdadeiro terror não é ter medo, é não ter escolha senão senti-lo.”

Eu passei boa parte de Tartarugas Até Lá Embaixo achando que o livro não ia chegar a lugar nenhum – e não chegou. Mesmo quando conhecemos Davis e devemos acreditar que ele e Aza se entendem de uma forma única, eu sentia que alguma coisa não estava muito certa nesse “romance”. O relacionamento parecia muito fora de contexto se você juntasse com tudo o que estava acontecendo, em segundo plano, na vida do Davis. E, no final, as coisas ficaram quase que “por isso mesmo”. É como se o livro tivesse terminado de uma forma bem abrupta e vários pontos soltos foram deixados, embora eu possa afirmar que John Green tentou dar um final aos seus personagens.

Tartarugas Até Lá Embaixo foi uma leitura um pouco torturante para mim. Eu esperava compreender melhor a Aza de alguma forma, mas quando eu cheguei ao final do livro eu só consegui sentir raiva dela. Eu conseguia visualizar os seus problemas e entender todas as suas crises, mas no final eu só conseguia vê-la como uma garota egoísta que só pensava nos próprios problemas. Digo, como pode uma pessoa que diz querer melhorar não fazer o mínimo de esforço para tomar ao menos os medicamentos? Eu não consegui me conectar com isso.

Eu esperava algo muito mais desafiador do que cansativo quando eu li Tartarugas Até Lá Embaixo, mas John Green conseguiu me desapontar em todos os quesitos em que, anos atrás, fez com que eu me apaixonasse pela escrita dele. Os personagens são fracos e vazios, o enredo não prende e não faz com que você queira levar a leitura até o final e a história em si é uma forçação de barra atrás da outra. Definitivamente, Tartarugas Até Lá Embaixo não é o livro pra mim – e digo isso porque nem o título do livro eu consegui entender muito bem.

Gostou da resenha? Então se inscreva na nossa newsletter para acompanhar os próximos conteúdos!

Notícias 06nov • 2017

Editora Intrínseca irá publicar o novo livro de Guillermo del Toro

A forma da água, romance que retrata e expande o universo do filme homônimo, será publicado no Brasil pela Intrínseca. O longa, que já ganhou o cobiçado Leão de Ouro de Melhor Filme no Festival Internacional de Cinema de Veneza e abriu o Festival de Cinema do Rio, será lançado pela Fox Searchlight Pictures no dia 1º de dezembro de 2017, nos Estados Unidos, e em 11 de janeiro de 2018 nos cinemas brasileiros. Baseado em uma ideia original de Guillermo del Toro e Daniel KrausA forma da água foi desenvolvido desde o início como uma história pensada pelos dois artistas de maneira independente para o cinema e a literatura.

A história se passa durante a época da Guerra Fria, em Baltimore, em um centro de pesquisa aeroespacial que acaba de receber um bem precioso: um homem anfíbio capturado na Amazônia. O que se desenrola é uma angustiante história de amor entre o anfíbio e uma das zeladoras do laboratório, uma mulher muda que usa a linguagem de sinais para se comunicar com a criatura. O livro traz ilustrações do artista James Jean e mistura fantasia, fábula e romance para criar uma narrativa envolvente tanto nas páginas quanto na tela de cinema.

Del Toro e Kraus colaboraram previamente no romance jovem Caçadores de Trolls, que, adaptado pela Netflix, é hoje a produção mais assistida da história do site na categoria de programas para a família. Foi durante uma reunião sobre esse projeto que os dois começaram a desenvolver a ideia que se tornou A forma da água.

“Essa é uma história na qual eu tenho pensado desde quando tinha seis anos e vi Julie Adams em O monstro da Lagoa Negra”, diz Guillermo del Toro. “Sempre esperei que ela e a criatura acabassem juntos, mas não acabaram. Foi durante um café da manhã que Daniel Kraus, coautor de Caçadores de Trolls, me contou sua versão de uma ideia parecida, e eu soube imediatamente que nós faríamos a história funcionar, tanto para o filme quanto para o livro.”

A forma da água é a fagulha de ideia mais antiga que eu tenho — eu a trago comigo desde os quinze anos”, conta Daniel Kraus. “Mas não era uma história totalmente desenvolvida até eu conhecer o Guillermo. Segundos depois que eu lhe contei a premissa, ele começou a preencher as lacunas na narrativa. Amo escrever com o Guillermo porque ele é o artista mais sincero e emocionalmente aberto que eu conheço, e essa sensibilidade complementa minhas tendências mais obscuras e grosseiras.”

O livro tem publicação mundial prevista para 27 de fevereiro de 2018. O filme, dirigido por del Toro e estrelado por Sally Hawkins, Michael Shannon, Octavia Spencer e Richard Jenkins, é fortemente cotado para o Oscar.

Este conteúdo foi originalmente publicado no blog oficial da editora Intrínseca. O La Oliphant é apenas responsável pela reprodução do conteúdo.

Notícias 15out • 2017

Livro que inspirou o filme “A Princesa Prometida” chega às livrarias em 2018

A Princesa Prometida é um fenômeno cult dos anos 1980 inspirado na obra de William Goldman. O livro homônimo que deu origem ao filme chega às livrarias brasileiras em 2018.

Não é a toa que A Princesa Prometida é um sucesso até hoje. Seu humor sarcástico e ao mesmo tempo ingênuo e a mistura de aventura, fantasia e romance fazem desse filme um dos mais queridos do público – seja o público que o viu nos cinemas no lançamento, em 1987, ou que viu pelo Netflix semana passada.

O longa conta a história de Buttercup, uma princesa apaixonada pelo menino do estábulo, Wesley. Mas depois de sua suposta morte, concorda em se casar com um príncipe de outro reino. Antes do casamento, a princesa é captura por um grupo de personagens excêntricos, dispostos a trocá-la por informações. Ao seu resgate, surge um misterioso homem mascarado.

O filme, que completou trinta anos em setembro, conta com atores bem conhecidos no elenco. A protagonista Buttercup é ninguém menos que a primeira-dama Claire Underwood na série House of Cards, da Netflix. E o vingativo, porém engraçado, espadachim espanhol, Inigo Montoya, é Saul Berenson, da série Homeland.

Este conteúdo foi originalmente publicado no blog oficial da editora Intrínseca. O La Oliphant é apenas responsável pela reprodução do conteúdo.

Notícias 08out • 2017

Tartarugas até lá embaixo nas livrarias dia 10 de outubro

Depois de seis anos, milhões de livros vendidos, dois filmes de sucesso e uma legião de fãs apaixonados ao redor do mundo, John Green, autor do inesquecível A culpa é das estrelas, lança o mais pessoal de todos os seus romances: Tartarugas até lá embaixo.

A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.

Onde comprar: Amazon

Lançamentos Notícias 15ago • 2017

Geekerela é tudo que a gente queria em um livro

Eu realmente não sei como vocês ainda não estão caindo de amores por Geekerela. Eu já estava namorando esse livro muito antes da Intrínseca pensar em lançá-lo no Brasil e, graças aos deuses que essa editora está sempre lendo os meus pensamentos e trazendo esses livros maravilhosos para a nossa estante, não é mesmo?

Geekerela não é apenas um romance, mas sim, o melhor livro de releitura de contos de fadas que nós vamos ler.  Se você ainda não está convencido, basta ler os comentários do Goodreads sobre o livro de Ashley Payton lá fora. Sério, ele tem uma avaliação de 4.14 na rede social e os leitores são apenas elogios para esse enredo.

“Eu não tinha muita certeza sobre esse livro por algum motivo, mas fui agradavelmente surpreendida! Eu não sabia o que esperar antes de começar a ler, mas o livro é muito da história da Cinderela recontada e funcionou tão bem nessa configuração moderna. Apenas uma leitura rápida, fácil e boa.” – Hailey de HaileyInBookland

A série de ficção científica Starfield nunca foi tão popular quanto os outros sucessos do gênero, mas tinha um grupo de fãs leal. Juntos, os pistoleiros estelares aguardavam ansiosamente que o remake da série fosse anunciado, e entre eles estava Elle Wittimer, que queria que o protagonista do filme fosse qualquer ator, menos Darrien Freeman.

Darrien por sua vez queria o papel, mas não todo o glamour de astro pop que veio de brinde. Visto como só mais um rostinho bonito, ele próprio está começando a achar que se tornou uma farsa, mesmo que saiba de cor todas as falas, cenas e personagens de Starfield, que sempre foi seu seriado favorito.

Quando a produção do filme anuncia um concurso de cosplay que terá como prêmio um convite para um baile com o ator principal, Elle não consegue resistir. Na Abóbora Mágica, o food truck vegano onde trabalha, ela encontra ajuda de uma amiga meio maluca e muito talentosa para descolar o traje e a carruagem perfeitas para o baile.

Afinal, o concurso é a chance de Elle se livrar das tarefas domésticas impostas pela terrível madrasta, das malvadas irmãs postiças e de finalmente falar para aquele galãzinho de quinta categoria que é preciso muito mais do que um abdome sarado para interpretar o capitão da espaçonave Prospero.

Parte releitura da clássica história de Cinderela, parte homenagem à cultura nerd, Geekerela é um conto de fadas para todos aqueles que sabem o que é ser fã e se dedicar de coração àquilo que amam.

Comprar: Amazon | Saraiva | Cultura

Quando Elle Wittimer, nerd de carteirinha, descobre que sua série favorita vai ganhar uma refilmagem hollywoodiana, ela fica dividida. Antes de seu pai morrer, ele transmitiu à filha sua paixão pelo clássico de ficção científica, e agora ela não quer que suas lembranças sejam arruinadas por astros pop e fãs que nunca tinham ouvido falar da série. Mas a produção do filme anunciou um concurso de cosplay numa famosa convenção valendo um convite para um baile com o ator principal, e Elle não consegue resistir. Na Abóbora Mágica, o food truck vegano onde trabalha, ela encontra a ajuda de uma amiga cheia de talentos para moda que vai criar o traje perfeito para a ocasião. Afinal, o concurso é a chance de Elle se livrar das tarefas domésticas impostas pela terrível madrasta e das irmãs postiças malvadas.

Já Darien Freeman, o astro adolescente escalado para ser o protagonista do filme, não está nada ansioso para o evento, embora o papel seja seu grande sonho. Visto como só mais um rostinho bonito, o próprio Darien também está começando a achar que se tornou uma farsa. Até que, no baile, ele conhece uma menina que vai provar o contrário.

Parte do conteúdo desta publicação foi retirada do blog oficial da editora Intrínseca.

Notícias 11ago • 2017

O que sabemos sobre o novo livro do John Green

Algum tempo atrás, nós postamos aqui um vídeo em que nosso amado John Green falou que não sabia se publicaria outro livro. No vídeo, ele diz que o sucesso de A Culpa é Das Estrelas o deixou preocupado com a possibilidade de que um próximo livro não seria tão bem recebido, e que apesar de ter trabalhado em algumas ideias nenhuma delas foi pra frente da forma que ele gostaria. Bom, parece que desde então, as coisas melhoraram pra ele!

A Intrínseca postou essa semana no YouTube uma versão legendada de um novo vídeo do canal Vlog Brothers ( que o John mantém com o irmão dele, Hank) em que o John fala um pouco sobre seu novo livro, Turtles All The Way Down, que ainda não tem um título traduzido, mas já tem data de lançamento! Ele vai ser lançado simultaneamente nos Estados Unidos e no Brasil no dia 10 de Outubro, bem antes do que a gente tinha pensado que seria.

A Intrínseca ainda liberou alguns detalhes da história do livro no blog da editora. Turtles All The Way Down vai ser focado em Aza Holmes, uma jovem de 16 anos que está atrás de um bilionário desaparecido afim de uma recompensa. No vídeo, John fala que Aza tem Transtorno Obsessivo Compulsivo, e que parte do que o inspirou a escrever o livro fora as suas experiencias vivendo com TOC. Isso já nos deixa muito animado porque nós sempre precisamos de mais representação pra esse tipo de transtorno, já que a grande maioria das pessoas não sabe exatamente o que é TOC (não, gostar de tudo organizado não é ter TOC, gente).

Como já falamos o livro vai ser lançado no dia 10 de Outubro e nós já estamos acampando nas livrarias porque queremos agora!

Cinema Notícias 09ago • 2017

Livro de Jenny Han será adaptado para o cinema

Os românticos de plantão já podem separar o dinheiro para a estreia de Para todos os garotos que já amei nos cinemas. O filme inspirado na trilogia de Jenny Han terá no elenco Lana Condor, de X-Men: Apocalipse, e John Corbett, de Casamento grego.

Noah Centineo, de The Fosters, dará vida ao personagem Peter Kavinsky; Janel Parrish, de Pretty Little Liars, será Margot, a irmã mais velha da protagonista, Lara Jean; Israel Broussard, de Bling Ring: A gangue de Hollywood, vai interpretar Josh; e Anna Cathcart será Kitty, a fofa irmã mais nova.

O filme será dirigido por Susan Johnson, e Sofia Alvarez ficará responsável pelo roteiro. As gravações já começaram em Vancouver, no Canadá, mas ainda não há data de estreia.

Para todos os garotos que já amei conta a história de Lara Jean, uma garota atrapalhada e ingênua, mas muito forte. Romântica, ela escreve cartas para os garotos por quem se apaixonou. Mas tem um detalhe: nunca as envia. Até que um dia essas cartas são misteriosamente enviadas aos respectivos destinatários, e a vida amorosa da personagem ganha outro rumo.

Comprar: Amazon | Saraiva | Cultura

Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos.
Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar.

Este conteúdo foi retirado do blog oficial da editora Intrínseca.

Siga o @laoliphantblogInstagram