Posts arquivados em: Tag: Dicas de Escrita

Lista 16jul • 2017

5 dicas para quem está auto publicando o seu livro

Mais uma vez eu estava lendo alguns artigos sobre como escrever meu próprio livro antes de realmente começar a escrever e, em uma das minhas buscas eu me deparei com esse artigo escrito pela Lisa Kaye Presley, autora do livro “The Wait”, onde ela contava um pouco sobre a sua jornada como escritora.

Como autora auto publicada, Presley conseguiu muito sucesso no mercado editorial com o seu livro e, por achar a sua experiencia com a escrita muito interessante, eu resolvi traduzir a sua publicação no site Writers Digest, afinal, é sempre bom conhecer a experiencia de outros autores antes de sair se aventurando no mercado editorial, não é mesmo?

Confira abaixo a tradução da publicação:

É difícil acreditar que, aos 57 anos, eu estou do outro lado da mesa, lançando a minha primeira ficção histórica, “The Wait”. Estar na frente de mais de 100 pessoas falando sobre um sonho de uma vida toda foi, em uma palavra, surreal! Uma semana antes disso, eu estava na frente do Landmark Booksellers em Franklin, Tenneessee, onde mais de 100 mil pessoas passaram durante o Franklin Main Street Festival  e, onde muitos pararam para obter informações sobre o meu próximo livro. Não consigo nem acompanhar as portas que estão abrindo para mim.

Como eu cheguei aqui? Bem, exatamente como eu li em tantos artigos e blogs no Writer’s Digest e, agora estou sentada aqui escrevendo sobre o meu sonho ter se tornado realidade. Não vou dizer-lhe que tive sorte (acredite, a sorte não teve nada a ver com isso), ou que eu conheci agente certo ou que uma editora me assinou. Não, eu não vou dizer nada disso porque eu sou uma autora auto publicada. A minha história é uma em que a protagonista (eu) e a antagonista (vida) estão em desacordo desde o início da minha jornada. O trabalho duro e a oração me trouxeram aqui, do outro lado de um lançamento de livro, segurando meu livro em minhas mãos, preenchendo solicitações de compra no meu site e assistindo minhas vendas na Amazon, Barnes & Noble, etc. (tudo enquanto mantenho meu emprego de período integral).

Aqui está um breve resumo sobre mim. Eu não sou uma estudiosa. Saí da escola com 17 anos; Me casei (não precisava, mas casei); Fiz supletivo; Fiquei grávida; Fui abandonada pelo meu companheiro; Criei uma criança sozinha por oito anos; Finalmente, me casei novamente; Me divorciei aos 43 anos; Fui demitida três vezes dentro de 15 anos, e finalmente consegui trabalhar no meu trabalho dos sonhos – como assistente de um advogado de renome nacional ganhando mais dinheiro do que eu nunca pensei, tudo com apenas um supletivo. E o tempo todo escrevendo. Sempre. Foi a única coisa que manteve meus pés no chão e minha cabeça fora de um forno a gás! Eu digo tudo isso para que você saiba se eu posso fazer isso, qualquer um pode.

Isso não acontece da noite para a dia, meus amigos. Primeiro, você precisa ser sincero sobre sua escrita. Se eu tivesse que fazê-la novamente, eu teria me concentrado mais nas regras de escrita e gramática. Eu sabia que minhas histórias eram boas, mas também sabia que a mecânica da minha escrita era o que me impedia de ter sucesso.

Quando eu finalmente tive o meu manuscrito profissionalmente editado, percebi que os agentes que eu tinha submetido ao longo dos anos provavelmente receberam duas frases nas minhas cartas de consulta e pararam por causa da má gramática e dos erros. Leve a sua escrita a sério! Trate-a como se estivesse escrevendo uma carta ao Presidente dos Estados Unidos da América. Você enviaria uma carta ao Presidente com erros de pontuação? (Não responda isso.)

Aqui estão algumas dicas da minha jornada:

Melhore a sua escrita

Vá para aulas, baixe podcasts, participe de seminários on-line e dirija-se a conferências. Escrever corretamente é tão importante quanto ter uma boa história. Conheça o ponto de vista e corrija a formatação. Você economizará muito tempo se você formatar corretamente ANTES de começar a escrever.

Com essa nota, deixe-me dizer uma coisa: Não fique sobrecarregado com regras rígidas e rápidas. Deixei que isso acontecesse comigo até o ponto de deixar de escrever e eu abandonei a escrita por anos. Eu pensei, nunca poderei competir com esses escritores que têm todos esses títulos. Por que eu deveria me incomodar? Ouça-me agora: NÃO seja engolido por essa negatividade. A dúvida de si mesmo será seu maior inimigo. Quando ela chegar, fique de pé e diga: “EU POSSO fazer isso. Talvez não amanhã, mas posso fazer isso!”

Crie um site profissional e escreva!

Seja proficiente em sua escrita. Não pense que é apenas um blog. Você nunca sabe quem pode estar lendo. Faça o mesmo com Twitter, Facebook, Instagram, Goodreads, etc. No mercado de hoje, é uma obrigação.

Revise, revise e revise um pouco mais!

Como mencionei anteriormente, não sou bem treinada quando se trata de gramática e pontuação. Eu sou autodidata e sei que minha fraqueza é minha habilidade técnica, então eu sempre tenho uma ou duas pessoas aprovando tudo o que escrevo. Acredite, os geeks da gramática estão lá fora, e eles vão te destruir. Não posso dizer quantas vezes as pessoas comentaram na minha página do Facebook quando viram um erro flagrante que um escritor fez em um blog, em uma publicação no Facebook ou no Twitter. Uma vez que você perde um leitor, eles estão perdidos para sempre.

Contatos, contatos, contatos e mais contatos.

Você nunca terá amigos demais. Vá ao encontro de algum escritor, entre para um clube de livros. Seja o que for que você faça, você deve criar uma rede de pessoas antes de pensar em colocar um livro no mundo. É uma questão de círculos concêntricos. Crie um círculo interno, e todas as pessoas nesse círculo tenham uma esfera de influência em outros círculos de pessoas e amigos, e essas pessoas têm seu círculo de amigos, e isso continua. Esta foi provavelmente a melhor coisa que fiz ao longo dos anos. Eu tenho um enorme grupo de amigos, principalmente pessoas que conheci em caminhadas e com quem trabalho, que são leais e querem me ver bem-sucedida. (Além disso, se você tem um conhecido que parece sempre falar coisas negativas para você – Corra! Seus amigos oferecerão críticas construtivas e não te derrubarão sempre que tiverem a chance.)

Tenha um manuscrito profissionalmente editado.

Faça sua pesquisa. Se você está escrevendo uma não ficção, procure alguém que tenha trabalhado com o gênero que está escrevendo ou edite esse tipo de livro. Se você está escrevendo ficção, certifique-se de não contratar alguém que, em sua maioria, edita livros de não-ficção. Seja esperto. Pesquise. Descubra o que eles editaram. Encontre o ajuste certo e, não importa o custo, será o melhor dinheiro que você vai gastar durante sua busca. Eu fiz, e sempre vou agradecer a Michael Garret por me fazer uma escritora melhor.

Olha, eu ainda estou aprendendo sobre todo esse negócio também. Eu, de modo algum, sou um especialista, mas estou feliz em compartilhar o que aprendi com vocês porque é assim que aprendi; Lendo sobre os sucessos dos outros e como eles o fizeram. É tudo sobre transmitir o amor, pessoal. Esta não é uma corrida; É uma jornada. Espero que sua jornada o leve a grandes alturas e sucessos.

Este texto foi originalmente publicado no site Writers Digest. O La Oliphant é responsável apenas pela tradução do mesmo.

Clube Nacional 26fev • 2017

5 dicas de Victoria Patterson para escrever ficção histórica

Eu sou completamente apaixonada por romances históricos e, ao contrário do que muitos julgam, esses enredos tem muito o que passar para o leitor, principalmente quando se trata de autoconfiança. Foi lendo Julia Quinn que eu comecei a explorar cada vez mais esse tipo de literatura, buscando tanto autores nacionais, como autores internacionais para conhecer. Mas, foi recentemente que eu resolvi que começaria a me aventurar no meu próximo romance de época – ainda sem nome.

Minha primeira dificuldade foi começar a história. Mesmo depois de ter lido infinitos romances, eu ainda tenho dificuldade de criar meu próprio universo. Depois de alguns bate papos nas comunidades de autores, descobri que eu não sou a única com essa dificuldade e resolvi fazer uma pesquisa profunda sobre o processo criativo de outros autores do gênero visando encontrar a melhor forma de trabalhar na minha própria história.

victoria-patterson-ficcao-historica-1

Foi então que eu encontrei este artigo escrito por Victoria Patterson, a autora de “The Peerless Four”, publicado no Writers Digest por Brian A. Klems. O artigo nada mais é do que um copilado de dicas para aqueles autores que tem interesse em se aventurar no mundo de ficção histórica e, como o artigo contribuiu bastante para que eu conseguisse começar a desenvolver a minha história, eu resolvi fazer a tradução das dicas para aqueles que, assim como eu, estavam ou ainda estão um pouco perdidos. Confiram abaixo:

Tente não perguntar quanto deve ser baseado em história e fato, e quanto deve ser ficção.

Logo percebi que essa pergunta não ajudava.

Isso me lembra aqueles colegas de classe em minhas salas de aula de inglês do ensino médio, levantando as mãos para os nossos exercícios criativos de escrita livre e fazendo perguntas ao professor, mas por quanto tempo você quer que seja? Quantos parágrafos? O que quer dizer escrever o que quiser? O que você quer que eu escreva?

Essas perguntas conseguem drenar o esforço da misteriosa alquimia da criatividade, seu propósito original.

victoria-patterson-ficcao-historica-16

Isso não quer dizer que você não tem que pesquisar. Pesquise!

Passei mais de um ano lendo e pesquisando, descobrindo como entrar no meu romance.

Quando eu tinha todos os fatos à mão, eu tinha que distinguir como apresentá-los em serviço da história.

Mas eu levei a sério o conselho de Robert Penn Warren de sua entrevista em Paris Review:

“Quando você tenta escrever um livro – até mesmo ficção objetiva – você tem que escrever do interior, não o exterior – o interior de si mesmo. Você tem que encontrar o que está lá. Você não pode prever apenas, draga-lo e espero que você tenha algo vale dragagem … você não escolhe uma história, ele escolhe você. Você se reúne com a história de alguma forma; Você está preso com ele. Certamente há alguma razão pela qual ele atraiu você, e você está escrevendo tentando descobrir essa razão … Eu posso sempre olhar para trás e lembrar o momento exato em que eu encontrei o germe de qualquer história que eu escrevi – um flash claro.”

victoria-patterson-ficcao-historica-18

Reconheça sua inspiração e, em seguida, deixe-a levá-lo onde quer que seja.

Para mim, o instante veio acontecer em cima dos quadrinhos de David Collier sobre a saltadora canadense Ethel Catherwood. Eu não conseguia parar de pensar e me perguntar sobre ela, e assim comecei a ler sobre seus companheiros olímpicos. De lá eu comecei a pensar em romances esportivos, esportes e atletas mulheres, e ler mais. Lembrei-me da advertência de Daniel Orozco para evitar o que ele chamou de “arrebatamento de pesquisa”, em um post de Prêmio de História, em que “um nos permanece razeres da pesquisa de história para adiar a escrita real da história”

Mas, ao mesmo tempo, permiti que meu interesse vagasse.

victoria-patterson-ficcao-historica-12png

Tente recriar a vida e o seu significado de tal maneira que você restaure a experiência, histórica ou não.

Ao escrever a história ficcional, o uso ou não de eventos reais pelo escritor depende do que ele fará a favor ou contra a narrativa.

A vida, por muito que possamos tentar programá-la, ritualizá-la ou controlá-la, continua sendo misteriosa, e muito disso envolve o mistério do futuro. Na ficção histórica, precisamos de uma certa quantidade de manobra para manter o futuro desconhecido e misterioso, mas, de outra forma, o objetivo é semelhante: tomar posse psíquica de um acontecimento e re-realizá-lo, para que um leitor engajado se esqueça de ler, mas se sinta como uma testemunha da própria experiência.

Tente fazer com que a sua pesquisa seja como uma meditação durante uma caminha noturna.

Robert Penn Warren, de sua entrevista de Paris Review, também afirma:

Você vê o mundo da melhor maneira possível, e os eventos e livros que são interessantes para você devem ser interessantes para você porque você é um ser humano, não porque você está tentando ser um escritor. Em seguida, essas coisas podem ser úteis para você como escritor mais tarde. Eu não acredito em uma abordagem esquemática ao material. O negócio de pesquisar um livro parece-me uma espécie de obscenidade. O que eu quero dizer é, pesquisando para um livro no sentido de tentar encontrar um livro para escrever. Uma vez que você está envolvido por um assunto, estão em um livro, ter sua ideia, você pode ou não pode querer fazer alguma investigação. Mas você deve fazê-lo no mesmo espírito em que você daria um passeio no ar da noite e pensar as coisas.

Há uma sensação de alegria ao pensar em pesquisa como semelhante a uma caminhada durante a noite.

victoria-patterson-ficcao-historica-13

Não só eu li, eu assisti filmes de esportes e programas de televisão, se hokey ou não, e documentários. Nada estava fora dos limites, quer fosse Friday Night Lights (livro, série de televisão e filme), Personal Best, ou uma biografia de John McEnroe. Depois de ler alguns livros sobre corrida, eu comecei, para minha surpresa, a correr no final da tarde.

Eu pensei muito sobre a corrida, enquanto eu corria, e, eventualmente, o narrador do meu romance, Mel, nasceu em minha mente. Uma ex-corredora afastada dos exercícios por ordens dos médicos, agora acompanhando a equipe olímpica das mulheres.

Com seu olhar melancólico e perspicaz, Mel me deu o meu caminho, um olhar dentro e um olhar de fora. Eu a vi pela primeira vez enquanto olhava fotos antigas de equipes olímpicas femininas, e percebendo, ao lado de uma foto, uma acompanhante de pé ao lado dos atletas, não nomeada na legenda.

“Esse é o meu narrador”, pensei, olhando para a mulher anônima.

victoria-patterson-ficcao-historica-14

Em algum momento, eu percebi que estava satisfeita com a minha pesquisa. Eu me enchi de ideias, ideias e perguntas – e era hora de tentar dar sentido a tudo isso.

A melhor ficção, histórica ou não, produz um feitiço onde os personagens vivem. Isso requer uma combinação de instinto e habilidade, e uma concentração voltada para a apreciação e complexidade.

Meus personagens em The Peerless Four se tornaram tão reais para mim que agora tenho dificuldade em distinguir o “real” do ficcional. O que eu fiz? O que realmente aconteceu? Já não tenho tanta certeza.

Conheço certos fatos – por exemplo, que o dardo não foi incluído nos cinco eventos de pista e campo permitidos para as mulheres em 1928. Mas para os meus propósitos, eu incluí o dardo de qualquer maneira. Mas os personagens e o que aconteceu não são tão claros. Eu fiz isso? Ou realmente aconteceu do jeito que eu escrevi? Meus personagens fictícios ficaram borrados em minha mente com suas contrapartes da vida real.

victoria-patterson-ficcao-historica-20

Eu estou tomando isso como um bom sinal. Isso me lembra o poder da imaginação do escritor, e a realidade que ele pode criar para um artista; E estranhamente, do médico de Balzac, Dr. Bianchon (A Vingança de Bette), que Balzac inventou para sua comédia. No seu leito de morte, é relatado que Balzac pediu sua criação fictícia, dizendo: “Só Bianchon pode me salvar …”

Se você chegou até aqui e gostou do que leu, convido a conhecer a publicação original da Victoria Patterson no Writers Digest. E caso você seja um escritor de ficção histórica e queira compartilhar a sua experiência, não deixe de falar conosco nos comentários desta publicação, certo?

Siga o @laoliphantblogInstagram