Resenhas 20dez • 2017

A Torre do Terrorpor Jennifer McMahon

O livro no Skoob e no Goodreads.

Editora: Record
Ano de Publicação: 2017
Número de Páginas: 378
Código ISBN: 9788501109736

Obs: Este livro foi cedido em parceria com a editora para resenha.

Comprar: SubmarinoLivraria CulturaAmazon

Sinopse: Um segredo macabro habita o Hotel da Torre Nos anos 1950, o Hotel da Torre, com seus 28 quartos, era a maior atração da pequena Londres, em Vermont. Hoje está abandonado, vivo apenas na memória de três mulheres — as irmãs Piper e Margot e sua amiga, Amy Slater, filha da família que o administrava. Elas costumavam brincar lá quando pequenas, até o dia em que as brincadeiras desenterraram algo macabro e sinistro do passado dos Slater — algo que determinou o fim da amizade de Piper e Margot com Amy. Com o passar dos anos, as irmãs fizeram tudo o que puderam para deixar o episódio para trás e seguir com a vida; Piper mora na Califórnia, enquanto Margot dedica-se à família e a estudar a história local. Até que um dia Piper recebe uma ligação de Margot em pânico: Amy e sua família estão mortos, supostamente pelas mãos da própria Amy. Só que, antes de morrer, Amy deixou escrita uma mensagem que as irmãs sabem ser direcionada a elas: "29 quartos". De repente, Margot e Piper são forçadas a revisitar aquele verão fatídico em que encontraram uma mala e cartas que pertenceram a Sylvie Slater, tia de Amy, desaparecida na adolescência.

Poucas experiências na vida de um leitor são mais frustrantes do que quando ele encontra um livro que acerta em quase todos os detalhes, exceto por um. Aquela leitura que atinge quase todas as expectativas, menos uma, e essa uma acaba estragando o resto da leitura. Acabou que A Torre do Terror foi exatamente esse tipo de livro. A leitura de A Torre do Terror me agradou bastante mas poderia ter agradado ainda mais, se não fosse por um ou dois pontos que deixaram um gosto ruim na minha boca.

As irmãs Piper e Margot cresceram junto com a melhor amiga Amy, brincando nos corredores do hotel da família de Amy. Anos depois, já adultas, Piper e Margot não falam com Amy a anos. Mas numa noite sombria, Amy supostamente assassina seu marido e seu filho, deixando apenas sua filha Lou viva. Piper e Margot são então trazidas de volta para dentro das paredes do Hotel da Torre, e precisam lidar com o fato de que talvez algo que habita o hotel ainda assombra suas vidas.

O primeiro ponto positivo do livro é a escrita da Jennifer McMahon, que transporta a gente direto pra dentro da história. Nas mãos de um escritor menos capaz, o enredo que pula entre três momentos diferentes da história dos personagens poderia ter sido confuso, mas a autora soube balancear muito bem os três pontos da história. Principalmente a história de Rose e Syvie, que foi realmente a minha favorita, em grande parte por causa da narração da Rose.

“— Você acredita em monstros, Jason?
— Não, senhora — respondeu ele.
— Minha filha também não acreditava — disse Rose, levantando uma sobrancelha. — E olhe o que aconteceu com ela.”

Falando nela, Rose é sem dúvida a protagonista do livro. Piper têm os seus momentos, principalmente durante as partes da história que acompanham ela e Amy na adolescencia, mas as partes do livro que seguem Rose e o relacionamento complicado que ela tem com a irmã mais velha Sylvie foram as minhas partes favoritas. A história das duas me lembrou muito os filmes de terror clássico de Hollywood, e eu tenho certeza que isso é exatamente o efeito que a autora queria.

Infelizmente, o livro tem os seus problemas. Piper, apesar de não ser uma personagem ruim, é realmente a protagonista da parte menos interessante do livro. A história de Rose, e o mistério do que exatamente aconteceu no hotel acabam ofuscando bastante os momentos do livro. Os momentos que o livro segue Piper e Amy durante a adolescência das duas é mais interessante, mas eu realmente passei boa parte da história querendo voltar para a história de Rose e Sylvie. Eu teria ficado mais satisfeito se o livro fosse todo sobre elas.

E finalmente chegamos no ponto que mais me deixou dividido sobre o livro: o final. Eu acho que se eu tivesse entrado nessa leitura já sabendo o tipo de história que A Torre do Terror seria, eu não teria me incomodado tanto com a conclusão da história. Mas eu comecei a leitura achando que a história seria um mistério, e ela acabou se tornando uma coisa diferente. E claro que isso não é necessariamente uma coisa ruim, mas quando você passa o livro inteiro achando que a história é uma coisa, e ela acaba sendo outra, é impossível não acabar se decepcionando.

“Piper olhou para a foto emoldurada que deixava sobre a cômoda: Amy, sardenta e sorrindo entre Piper e Margot, os braços envolvendo os ombros das duas. As três meninas pareciam impossivelmente felizes, sorrindo no fundo da piscina vazia, com patins brancos de cadarços brilhantes. A foto estivera em seu quarto no dormitório da faculdade e em todos os apartamentos e casas onde ela havia morado desde então.”

Por fim, A Torre do Terror é uma leitura envolvente, se você sabe o que esperar dela. Nos seus momentos mais bem executados, a história é comparável com os enredos de Hitchcock, mas peca em outros pontos. É uma leitura que eu faria novamente, e com certeza é um livro que eu recomendaria para outros, mas eu teria o cuidado de explicar que a conclusão da história caminha para um ponto que o leitor pode não gostar.

Gostou da resenha? Então se inscreve na nossa newsletter para acompanhar os próximos conteúdos do blog.

Vinicius Fagundes ver todos os artigos
24 anos. Formado em Publicidade e Propaganda. Viciado em histórias. Desconhecido mundialmente.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

2 Comentários

  • NIZETE RIBEIRO
    24 dez 2017

    Olá!
    Não conhecia a obra nem a autora, mas fiquei curiosa e interessada por conhecer a ora, pois adoro suspense e mistério. Esse livro tem uma proposta muito boa e pelo que vi nos envolve até o fim da leitura.
    Anotado a dica!
    Nizete
    Cia do Leitor

  • Ana Caroline
    24 dez 2017

    Olá, tudo bem? Nossa é complicado mesmo quando passamos a leitura esperando algo e acaba-se tornando outro. Ainda mais com o final. Não é um gênero de leitura ou algo que goste muito de ler, por isso de primeira passaria longe. Parece ter uma premissa bem interessante, o que de fato chama atenção primeiramente. Ainda não sei o que pensar sobre o mesmo, porém ficarei de olho (; Ótima resenha!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

  • Siga o @laoliphantblogInstagram