Resenhas 17dez • 2017

O Gabinete Paralelopor Maureen Johnson

O livro no Skoob e no Goodreads.

Editora: Rocco
Ano de Publicação: 2017
3º livro da série Sombras de Londres
Número de Páginas: 352
Código ISBN: 856826350X

Obs: Este livro foi cedido em parceria com a editora para resenha.

Comprar: SubmarinoLivraria CulturaLivraria SaraivaAmazon

Sinopse: A capital britânica nunca foi tão assustadora. Os túneis subterrâneos, o Marble Arch e as galerias da rede de esgotos de Ranelagh são alguns dos principais cenários da trama de O gabinete paralelo, terceiro volume da série de mistério Sombras de Londres, de Maureen Johnson. No livro, Rory Deveraux se pergunta se não deveria ter voltado para sua pacata cidade nos Estados Unidos, depois de tudo o que viveu desde que chegou a Wexford. Não bastasse descobrir a habilidade de ver fantasmas e enfrentar uma versão moderna de Jack, o Estripador, ela agora sofre a perda de seu amor, Stephen, e teve sua melhor amiga, Charlotte, sequestrada. Mas é tarde para voltar atrás. Rory tornou-se peça-chave no esquadrão que monitora fantasmas em Londres. E enquanto tenta se recuperar de uma série de acontecimentos trágicos e lidar com todo tipo de surpresas do destino, uma terrível ameaça paira sobre a cidade, exigindo que ela mergulhe ainda mais fundo nas Sombras de Londres.

Atenção: Esta resenha contém spoilers da série Sombra de Londres! Leiam por sua própria conta, tá?!

É sempre difícil falar sobre um livro que não atinge as suas expectativas, mas que também não é tão ruim assim. Principalmente quando esse livro faz parte de uma série que até então vinha te agradando. Eu  não sei dizer exatamente o que eu esperava de O Gabinete Paralelo, mas depois de dois livros que me impressionaram, o terceiro volume da série Sombras de Londres não conseguiu manter o nível que eu me acostumei a receber da série. E eu realmente ainda não consegui definir exatamente porque.

O Gabinete Paralelo continua a história de Rory Deveaux, uma jovem americana que se muda de sua pequena cidade nos Estados Unidos para ir estudar em um colégio interno em Londres. Lá, Rory acaba se envolvendo com uma organização dedicada a investigar atividades paranormais e descobre a habilidade de enxergar fantastas. Agora, após passar por algumas tragédias traumáticas, Rory está diante de uma ameaça ainda maior que todas que já enfrentou. Rory e seus amigos vão precisar mergulhar ainda mais fundo nas sombras de Londres.

resenha-no-limite-da-loucura

Vamos começar pelos pontos positivos. A escrita da Maureen Johnson continua tão boa quanto esteve nos dois primeiros livros da série. Ela consegue passar muito bem o conteúdo emocional da história e sabe manter um equilibro legal entre as partes mais sérias e as mais divertidas, apesar de eu sentir falta da atmosfera de mistério primeiro livro. E os diálogos são sempre muito bem escritos, principalmente porque fica muito claro que cada personagem tem uma voz característica. Você realmente acaba a história tendo a sensação que conhece cada um dos personagens bem, e isso acrescenta bastante para a história.

“Ouvi um tinir de trincado, e quando me virei, vi a janela  se congelar. Quer dizer, ao menos era o que parecia, como se o gelo tomasse conta do vidro a partir de baixo, mas na verdade, como percebemos um segundo depois, era uma rachadura se expandindo em formato de teia de aranha.”

Rory continua sendo uma boa protagonista e os outros personagens continuam sendo um ótimo elenco de apoio. A única personagem que me incomodou foi Freddie, a nova personagem. Apesar de gostar dela, ela meio que aparece do nada com todas as respostas que os personagens estavam procurando, como se tivesse caído do céu. Mas Bu, Callum e Stephen continuam sendo todos ótimos, e Thorpe acabou sendo bastante agradável como personagem de apoio também.

resenha-no-limite-da-loucura

Mas infelizmente o livro tem seus pontos negativos. O maior deles, e eu não sei se vou conseguir explicar isso direito, é que ele não parece ser o suficiente. Eu realmente acho que esse livro poderia ter sido uma novella ou uma metade de um ultimo volume mais extenso. O plot vai do ponto A ou ponto B, introduz um ou dois detalhes, emas ada do que ele faz realmente parece importante o bastante para justificar o seu status como terceiro livro da série. Eu vou ter que entrar no território dos spoilers para explicar o porque, então se você não quer spoilers, pule para o fim da resenha.

“Deixei o telefone no balcão de granito e peguei um guardanapo para secar as lágrimas. Tomei um longo gole da garrafinha d’água e a amassei na mão. O silêncio que se instalou sobre nós três depois desse ruído foi um dos mais profundamente perturbadores que já vivenciei.”</div

O que esse livro fez de importante para o enredo da série? Ressuscitou o Steven, ou nem isso já que ele não estava exatamente morto, e introduziu os vilões Sid e Sadie. Só isso. De resto, os personagens estão exatamente no mesmo lugar; Inclusive, estão um pouco pior já que Rory aprende informações importantes durante o livro mas que são basicamente esquecidas no final. Se o livro fosse lançado como uma novella mosrando apenas a história de Sid e Sadie, eu realmente não sentiria tanta diferença. O que mais ele fez? Explicou que Rory é especial porque ela é basicamente um terminal? NÓS JÁ SABÍAMOS DISSO!!!

resenha-no-limite-da-loucura

O maior problema do livro é o fato de que fica muito claro que ele está apenas fazendo uma ponte até a conclusão da série. Teria sido muito simples concluir a história nesse terceiro livro, mas a autora preferiu introduzir plots novos e esticar essa saga um pouco mais. O resultado é uma tentativa frustrante e cansativa, com um final vago que me deixou com aquela pergunta de “É sério que o livro acaba assim?” na cabeça. E isso nunca é o tipo de reação que você quer ter como final de um livro.

Enfim, é muito estranho chegar ao terceiro livro da série e ter a impressão de que o enredo está enchendo linguiça. O livro inteiro se passa em torno de alguns dias e é realmente essa a sensação que a leitura passa. Apesar de gostar da escrita da Maureen Johnson e dos personagens, O Gabinete Paralelo é o tipo de livro que eu realmente não vou me lembrar daqui a alguns dias. É aquele livro que você precisa ler porque quer chegar ao final da série, mas não te dá aquele suspense de querer muito saber aonde a história vai chegar. Realmente decepcionante.

Gostou da resenha?! Então se inscreva na newsletter do blog para acompanhar os próximos conteúdos.

Vinicius Fagundes ver todos os artigos
24 anos. Formado em Publicidade e Propaganda. Viciado em histórias. Desconhecido mundialmente.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

Siga o @laoliphantblogInstagram