La Oliphant

La Oliphant

Resenhas

Conquistada Por Um Visconde por Stephanie Laurens

O livro no Skoob e no Goodreads.

Editora: HarperCollins Brasil
Ano de Publicação: 2016
1º livro da série As Irmãs Cynster
Número de Páginas: 368
Código ISBN: 9788539822393

Comprar: Submarino | Amazon |


Sinopse: Londres, 1829. Decidida a escolher seu próprio herói, um que a deixe completamente extasiada e pronta para a felicidade conjugal, Heather Cynster declina convites para os bailes conservadores da aristocracia londrina e busca aventuras fora de seu círculo social. Ao ultrapassar as fronteiras de seu mundo seguro e comparecer a um sarau oferecido por uma dama de reputação duvidosa, Heather acaba entrando na cova de leões. Mas seus planos de independência são arruinados quando encontra, no meio do salão, o enervante Visconde Breckenridge. Amigo dos Cynster e, principalmente, dos irmãos de Heather, ele a toma pelo braço e a leva até a carruagem. Mas seus esforços são inúteis. A poucos metros de entrar no carro, Heather é interceptada e sequestrada por inimigos ocultos que buscam vingança contra os Cynster. Agora, o arrojado Visconde terá de provar que é realmente o herói que Heather tanto almeja... Escrito com maestria, paixão e toques de humor, Conquistada por um visconde é uma trama inesquecível, que deixará o leitor querendo mais após a última página. Composta por Stephanie Laurens, considerada a sucessora de Georgette Heyer e a principal referência de muitas escritoras de sucesso, seus romances têm como cenário a alta sociedade de Londres do período regencial. Conquistada por um visconde é a escolha certa para os fãs de narrativas cujos personagens são damas audaciosas arrebatadas por nobres sedutores.

Débora Costa
15 de abril de 2017 15/04/2017 0 Comentários

Conquistada Por Um Visconde era aquela leitura que estava na minha lista faz algum tempo. Como uma boa leitora de romances de época que eu sou, eu não podia deixar a chance de conhecer a escrita de Stephanie Laurens, não é mesmo? Primeiro livro da trilogia de As Irmãs Cynster, Conquistada Por Um Visconde tem personagens inteligentes e determinados acompanhados de uma trama que é impossível de abandonar depois que você começa a ler.

Heather Cynster é a heroína de Conquistada Por Um Visconde. Depois de várias temporadas tentando encontrar o seu herói, Heather decide por si só encontrar o homem que se tornará seu marido em um sarau organizado por uma dama de reputação duvidosa. Todos os seus planos são destruídos quando o Visconde Breckenridge a intercepta na festa e deixa claro que a levará para casa em segurança. Porém, é no meio dos argumentos de Heather do porque ela deve continuar na festa que a mesma é sequestrada por bandidos, contando apenas com Breckenridge para provar à ela que talvez ele possa ser o herói que ela tanto estava buscando.

Conquistada Por Um Visconde tem um enredo bastante inteligente, talvez muito mais do que eu estava esperando quando comecei a lê-lo. Stephanie Laurens tem uma escrita bem marcante e não poupa detalhes para que possamos conhecer seus personagens a fundo. Diferente dos romances que eu já li, Stephanie não foca muito no background dos personagens, mas sim nos detalhes que compõe suas personalidades ao longo do enredo. Isso foi um ponto muito forte para leitura porque, pela primeira vez, eu não tive um capítulo inteiro dedicado ao passado dos personagens principais.

O enredo se desenvolve um pouco mais lento do que eu esperava, e como Conquistada Por Um Visconde faz parte de uma série com mais 23 livros que provavelmente não serão publicados no Brasil, eu senti falta de algumas informações dentro do enredo, principalmente quando se tratava do sequestro de Heather. A sensação que eu tinha é que eu deveria saber quem era a pessoa por trás de tudo aquilo – provavelmente revelado em algum outro livro da autora.  Tirando esse pequeno detalhe, a leitura fluiu bem melhor do que eu realmente estava esperando.

Eu gostei muito de Conquistada Por Um Visconde ser um livro meio “road trip”. Eu acho que a inserção de novos ambientes e situações que eu ainda não tinha visto em outros romances, deu ao livro um tom muito mais original. Os diálogos e os personagens secundários também não deixam nem um pouco a desejar, principalmente porque ao longo da leitura você consegue perceber exatamente o caminho que a autora está querendo tomar e como aquilo realmente se encaixa dentro da história.

Eu quero muito ser a melhor amiga de Heather Cynster, honestamente. A personalidade dela é muito decidida para uma mulher da época, e eu gostei de ela não ser do tipo que se abala fácil com qualquer situação. Durante todo o sequestro, Heather se mantém calma e observadora, tentando fazer o possível para conseguir o máximo de informações possíveis. Eu achei muito inteligente e bastante corajosa, afinal, mesmo com todas as possibilidades de voltar para casa, ela nunca pensou em arriscar a segurança de suas irmãs e primas.

Breckenridge, por outro lado, não foi tão apaixonante como eu esperava. Ele era um libertino e, particularmente, eu odeio a prepotência dos libertinos em romances de época – um pensamento que me fez conectar mais ainda com a personagem principal. Eu consegui ver claramente que ele sempre esteve apaixonado por Heather, mas eu não consegui entender o porquê de ele não tentar conquistá-la muito antes de toda aquela situação. Foi o único ponto do livro que realmente não fez muito sentido para mim.

Em geral o romance é bem positivo para o enredo. Se desenvolve gradualmente, sem que os personagens sejam forçados a se apaixonar. É interessante ver como toda a situação do sequestro faz com que eles comecem a se olhar com outros olhos, principalmente Breckenridge, que tem a oportunidade de conhecer outras características de Heather que provavelmente seriam ocultadas nos salões de baile de Londres. Eu achei muito bom que a autora tenha optado por fazer eles se apaixonarem por quem são de uma forma tão criativa.

O ponto alto de Conquistada Por Um Visconde é saber que a maior virtude dos personagens são as suas próprias personalidades. Eu gostei que Heather não estava disposta a se casar por conveniência e a não ser que Breckenridge estivesse disposto a ser honesto sobre os seus sentimentos, ela jamais mudaria de ideia a respeito disso. Aliás, eu achei que a família Cynster – goverdada por suas mulheres – foi a família mais interessante que conheci até agora. Suas peculiaridades são realmente algo que nos prendem dentro dos enredos da autora.

Stephanie Laurens provou, pelo menos nesse primeiro livro, que não existe limites para os romances de época. Acho que todo o bom leitor do gênero merece dar a essa autora uma chance, principalmente por causa dos seus personagens. Eu realmente espero que a Editora resolva lançar todos os livros da série no Brasil, afinal seria uma pena perder essa escrita maravilhosa após 3 livros.

Gosta de romances de época? Então curta a nossa página do Facebook para acompanhar as próximas resenhas.

Débora Costa

Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

ver todos os artigos »



Deixe seu Comentário


Débora Costa

Débora Costa

Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de Steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

O que eu estou lendo?

The Beauty of Darkness
Mary E. Pearson

Compre com desconto

@laoliphantblog


Colaboradores

Vinicius Fagundes

ver todos os artigos »

Beatriz Kollenz

ver todos os artigos »

Editoras Parceiras

Assine nossa Newsletter

Últimos Vídeos