La Oliphant

La Oliphant

Resenhas

O Coletor de Espíritos por Raphael Draccon

O livro no Skoob e no Goodreads.

Editora: Rocco
Ano de Publicação: 2017
Número de Páginas: 272
Código ISBN: 8568263526

Obs: Este livro foi cedido em parceria com a Editora para resenha.

Comprar: Submarino | Livraria Cultura | Livraria Saraiva | Amazon |


Sinopse: Quando a chuva aflige o vilarejo de Véu-Vale pelo terceiro dia consecutivo, as ruas iluminadas por tochas ficam desertas; as janelas, uma a uma, se fecham; nesses dias, quem caminha pelas ruas de Véu-Vale caminha sozinho. Em O coletor de espíritos, novo romance de Raphael Draccon, um dos principais nomes da literatura de fantasia nacional, Gualter Handam, antigo morador do vilarejo e hoje um psicólogo prestigiado, se vê obrigado a retornar ao local que povoa seus pesadelos. Depois de tantos anos, ele terá de encarar antigos fantasmas e enfrentar uma força desconhecida e furiosa, numa jornada de sacrifício e redenção que poderá finalmente libertar todo um povo das garras do medo.

Vinicius Fagundes
05 de dezembro de 2017 05/12/2017 0 Comentários

No começo desse ano, quando eu estava detalhando as minhas metas de leitura, um dos objetivos que eu coloquei para mim mesmo era de ler mais livros nacionais. E como sempre, eu não consegui ler todos os livros que gostaria, mas eu fiquei realmente feliz de ter a oportunidade de finalmente conhecer o trabalho do Raphael Draccon. Apesar de ter ouvido falar muito das séries Dragões do Éter e Legado Ranger, O Coletor de Espíritos foi a minha introdução aos livros do Raphael Draccon. E olha, foi uma introdução bem positiva.

O livro se passa em Véu-Vale, um pequeno vilarejocercado de lendas sombrias que assombra os moradores em dias de chuva. Gualter Handman, um famoso psiquiatra achou que tinha conseguido escapar das histórias de Véu-Vale quando deixou a cidade na sua juventude, mas ainda ouve os gritos da cidade. Quando recebe a notícia de que sua mãe sofreu um infarto, Gualter precisa retornar a Véu-Vale e encarar de frente todas as figuras sombrias que habitam os cantos do vilarejo, assim como as sombras de seu passado.

Vamos direto ao ponto, O Coleto de Espíritos foi uma leitura muito boa. Eu não tenho como comparar com os outros livros dele, mas se a escrita do Raphael Draccon for tão boa neles como foi nesse livro, eu vou agora mesmo para a livraria. Em cada momento do livro, a narrativa entrega um impacto emocional que fica com o leitor depois de um bom tempo. E consegue fazer isso sem se tornar uma leitura difícil.O livro mantem o equilibro entre os dois extremos muito bem.

Frio. Sussurros. Silêncio. Em Véu-Vale sempre foi assim.

Sem dúvida o maior acerto do livro é a atmosfera. A escrita passa muito a sensação de que alguma coisa está sempre se esgueirando nas sombras de Véu-Vale, e você passa a leitura inteira esperando alguma coisa acontecer, e quando acontece, você sente o impacto. Me lembrou muito os livros do Stephen King, aquela sensação de que você não pode relaxar nem por um segundo, porque alguma coisa vai aparecer para te assurtar. O livro não tem um momento chato, ou lento, todas as partes desempenham muito bem as suas funções.

Os personagens são bem construídos, apesar de a maioria servir mais como apoio para Gualter, que é um ótimo protagonista. O fato de ele ser um terapeuta, e se recusar a largar do lado mais cético da sua mente funciona muito bem, porque nós temos a chance de observar os acontecimentos de Véu-Vale através dos olhos de alguém que está sempre procurando a resposta mais lógica. Então quando ele encontra algo que não consegue explicar, nós sentimos o quanto isso o assusta.

— E o que os monstros fazem nos dias de chuva? Aparecem e perseguem os andarilhos?
— Também, mas essa não é a parte mais assustadora.
— E qual é a parte mais assustadora?
— Quando eles gritam.

A única coisa que eu apontaria como negativa no livro são os diálogos. Apesar de nenhum ser exatamente ruim, alguns deles não me pareceram naturais, e acabaram me tirando um pouco da história. Os melhores momentos do livro são realmente as partes em que a narração carrega o leitor pela história, o livro quase não precisa de diálogos para passar o quanto a cidade de Veu-Vale é aterrorizante. Mas isso pode ser uma questão de gosto mesmo, e não foi o bastante para me desanimar dessa leitura.

No geral, O Coletor de Espíritos foi uma ótima introdução a bibliografia do Raphael Draccon. Essa leitura só reforçou ainda mais o meu desejo por consumir mais literatura nacional, principalmente os outros livros do Draccon, e eu recomendo fortemente esse livro para todos que estão procurando por uma leitura impactante. Não deixem de conferir esse livro porque ele realmente é muito, muito bom.

Gostou da resenha? Então se inscreva na newsletter para acompanhar os próximos conteúdos do blog!

Vinicius Fagundes

24 anos. Formado em Publicidade e Propaganda. Viciado em histórias. Desconhecido mundialmente.

ver todos os artigos »



Deixe seu Comentário


Débora Costa

Débora Costa

Geminiana. Escritora de romances nas horas vagas, mas viciada em séries no dia a dia. Publicitária hiperativa de 9h às 18h. Tem Oasis em todas as suas trilhas sonoras literárias. Prefere o Goodreads ao Skoob. A maluca dos romances de época que ainda vai escrever um livro sobre viagem no tempo.

O que eu estou lendo?

O Príncipe Corvo
Elizabeth Hoyt

@laoliphantblog

Colaboradores

Vinicius Fagundes

ver todos os artigos »

Beatriz Kollenz

ver todos os artigos »

Paac Rodrigues

ver todos os artigos »

Editoras Parceiras

Compre com desconto

Assine nossa Newsletter

Últimos Vídeos